dicas-tratamento-trincas-e-fissuras-passo-a-passo-2.jpg

VALORIZE

SEU PATRIMÔNIO

Revitalize seu imóvel e agregue valor ao que é seu.

 

Dicas e Truques Trincas e Fissuras

Passo a Passo

 

Como se originam, quais os tipos, as causas
e as técnicas mais recomendadas de recuperação de fissuras

 

As fissuras são um tipo comum de patologia nas edificações e podem interferir na estética, na durabilidade e nas características estruturais da obra. Tanto em alvenarias quanto nas estruturas de concreto, a fissura é originada por conta da atuação de tensões nos materiais. Quando a solicitação é maior do que a capacidade de resistência do material, a fissura tem a tendência de aliviar suas tensões.

 

Quanto maior for a restrição imposta ao movimento dos materiais, e quanto mais frágil ele for, maiores serão a magnitude e a intensidade da fissuração. A formação das fissuras, como explica o engenheiro Renato Sahade, está ligada a situações externas ou internas.

 

Entre as ações externas aos componentes, estão as fissuras causadas por movimentações térmicas, higroscópicas, sobrecargas, deformações de elementos de concreto armado e recalques diferenciais. Entre as ações internas, as causas das fissuras estão ligadas à retração dos produtos à base de cimento e às alterações químicas dos materiais de construção.

 

 

A fissura pode ter origem em fases diferentes da edificação, como enumera o engenheiro Paulo Grandiski, do Ibape-SP (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo): "Em uma visão geral, simplificada, as origens das fissuras de uma edificação podem surgir na fase de projetos - arquitetônico, estrutural, de fundação, de instalações -, de execução da alvenaria, dos vários sistemas de acabamento e, inclusive, na fase de utilização, por mau uso da unidade".

 

Tecnicamente, e de forma geral, o termo fissura é preferível ao termo trinca. Algumas normas e alguns peritos podem classificar as fissuras com diferentes nomes, conforme a sua espessura. Segundo a norma de impermeabilização (NBR 9575:2003), as micro fissuras têm abertura inferior a 0,05 mm. As aberturas com até 0,5 mm são chamadas de fissuras e, por fim, as maiores de 0,5 mm e menores de 1,0 mm são chamadas de trincas. "Essa nomenclatura pode ser aplicada às trincas passivas, que não variam ao longo do tempo, em função da variação da temperatura tópica.

 

Já para as trincas ativas, que variam conforme a respectiva variação higrotérmica, essa nomenclatura é inaplicável, pois a classificação mudaria conforme o instante da medição", argumenta Grandiski. A variação higrotérmica é a ação simultânea de dilatação e retração provocada pela absorção de água e pela variação de temperatura na edificação.

 

Ainda existem as fissuras com origem exógenas às obras. "Não bastassem as fissuras e trincas endógenas à obra, nela podem surgir fissuras com origem na natureza - como sismos, ventos, enchentes etc. - e com origem em obras vizinhas - como rebaixamento do lençol freático, trepidações causadas pelo cravamento de estacas, escavações lindeiras etc."

 

 

 

Tipos


As fissuras nas alvenarias são divididas de acordo com sua forma de manifestação, seu desenho, que pode ser geo­métrico ou mapeado. Essas duas classes são subdivididas, cada uma, entre fissuras ativas e passivas. As ativas ainda admitem uma nova subdivisão, em que podem ser sazonais ou progressivas. As geométricas (ou isoladas) podem ocorrer tanto nos elementos da alvenaria - blocos e tijolos - quanto em suas juntas de assentamento. As mapeadas (também chamadas de disseminadas) podem ser formadas por retração das argamassas, por excesso de finos no traço ou por excesso de desempenamento. No geral, elas têm forma de "mapa" e, com frequência, são aberturas superficiais

 

Fissuração mapeada causada por retração de secagem da argamassa

 

As fissuras ativas (ou vivas) são aquelas que têm variações sensíveis de abertura e fechamento. "Se essas variações oscilam em torno de um valor médio - oscilantes - e podem ser correlacionadas com a variação de temperatura e umidade - sazonais -, então as fissuras, embora ativas, não indicam ocorrência de problemas estruturais", afirma Renato Sahade. Mas se elas apresentarem abertura sempre crescente, podem representar problemas estruturais, que devem ser corrigidos antes do tratamento das fissuras - que neste caso são chamadas de progressivas. As causas desses problemas devem ser determinadas por meio de observações e análise da estrutura. Por fim, as passivas (também chamadas de mortas) são causadas por solicitações que não apresentam variações sensíveis ao longo do tempo. E, por isso, podem ser consideradas estabilizadas.

 

 

 

Causas e riscos


Apesar de muitas vezes a configuração de uma fissura parecer semelhante à outra, suas causas podem ser bastante diferentes. "Uma fissura de deformação de estrutura, por exemplo, pode ser parecida com uma de recalque de fundação. Uma de dilatação térmica pode ser igual a uma de retração de secagem. Por isso, é preciso ter um treinamento e certa experiência para, com uma inspeção visual, chegar à causa", afirma Ercio Thomaz, pesquisador do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). Segundo ele, na maior parte das vezes a fissura é inspecionada visualmente e, assim, o diagnóstico é muito dependente da experiência do profissional. Mas é possível, também, fazer análises com auxílio de instrumentação.

Os danos que uma fissura pode representar à edificação são bastante variáveis. "Depende muito do elemento. Por exemplo: uma microfissura em concreto protendido pode ser sintoma de uma sobrecarga considerável. Uma fissura capilar, de 0,1 mm, no meio de uma viga, de concreto armado, não quer dizer nada. Mas se for próximo de um apoio, pode indicar efeito de uma força cortante e já pode ser um sintoma de sobrecarga considerável", compara Thomaz. Geralmente, fissuras na alvenaria representam menos riscos do que em vigas e pilares. Mas é preciso ter cuidado, pois uma patologia na alvenaria pode ser consequência de um problema estrutural mais sério.

 

 

Destacamento da argamassa de revestimento por movimentação térmica

 

Em uma edificação existem as fissuras admissíveis, que são aceitas ou previstas no projeto. O projeto estrutural precisa ser elaborado conforme a respectiva classe de agressividade ambiental - segundo a norma de Projetos de Estruturas de Concreto (NBR 6118:2003), pois o mesmo projeto não pode ser executado na zona urbana da cidade de São Paulo e na orla marítima de Santos, por exemplo. A desobediência a essas disposições estruturais pode implicar o surgimento de fissuras. 
"Além dos 'wk', que constituem 'fissuras planejadas nos projetos das estruturas', o projeto deve prever juntas de dilatação estruturais para evitar o surgimento de fissuras de origem térmica em extensões superiores a 20 m, por exemplo", afirma Paulo Grandiski. As juntas de dilatação, observa Grandiski, não devem ser vedadas pelo acabamento. Se isso não for obedecido, surgirão fissuras nesse acabamento devido à dilatação térmica da estrutura.

 

tabela-2-trinca-fissura.jpg

 

Na execução de uma obra, algumas imprudências comuns podem gerar fissuras. A NBR 7200:1998 é a norma geral de execução de revestimentos de paredes e tetos de argamassas inorgânicas, e indica os intervalos mínimos de execução entre cada etapa do trabalho. A norma diz que, entre a execução da estrutura de concreto e a alvenaria, é preciso esperar pelo menos 28 dias. "Atualmente esses prazos costumam ser desobedecidos, daí resultando em trincas e fissuras. Por exemplo: se o reboco for aplicado antes do prazo mínimo, enquanto o emboço ainda está retraindo, podem surgir no reboco fissuras mapeadas", alerta Grandiski. 

Outro problema recorrente citado pelo engenheiro do Ibape é a sobrecarga na edificação. Durante a execução da obra são colocadas pilhas de sacos de cimento, tijolos ou acúmulo de areia ou entulho sobre as lajes, atingindo cargas superiores a 900 kg/m3. "Isso é muito superior às cargas teóricas estabelecidas na NBR 6120:1980. Por exemplo, para prédios de escritórios, as lajes devem ser projetadas para suportar cerca de 270 kg/m2, com piso e forro." 

 

Bastante comum, também, é a fissura de origem higrotérmica. Elas são resultantes dos pontos de contato de materiais que apresentam simultanea­mente coeficientes de dilatação térmica diferentes, e diferentes dilatações provocadas pela maior ou menor absorção de água. É o caso das áreas de contato entre as estruturas de concreto armado e as alvenarias, quando passam por ciclos de recebimento de sol e chuva. Nos últimos andares dos edifícios esse fenômeno costuma ficar bastante visível quando a pintura do revestimento externo perde sua capacidade hidrofugante.

 

 

 

Técnicas de recuperação


Os principais sistemas de recuperação de fissuras em alvenarias. Todos estão indicados de acordo com as características típicas das fissuras. Portanto, o primeiro passo para recuperar uma fissura é chegar à definição precisa da sua causa.

"Quando a fissura é de origem estrutural, sua recuperação é mais complicada. Uma fissura mais superficial, mapeada, tem recuperação mais simples. Independentemente disso, é preciso ter um treinamento da mão de obra". As fissuras, no geral, são recuperadas com a aplicação de produtos flexíveis, como selantes elásticos. "Alguns procedimentos demoram a ser feitos, porque é preciso abrir a fissura, fazer a limpeza, aplicar os produtos e esperar secar. Mas há outros mais simples, que em dois dias o trabalho já está concluído", afirma. Entre os produtos, há, inclusive, tintas especiais para fachadas, com maior capacidade de tolerar deformações sem fissurar.

Independente do sistema utilizado, a solução deve ser compatível com a construção, para alterar o mínimo possível as suas características. Também deve ter durabilidade e, ainda, ser passível de remoção sem que danifique os materiais originais da edificação. Confira a descrição do sistema que se baseia em membranas acrílicas e selagem. "Na prática, é um dos mais conhecidos e utilizados no mercado nacional. Mas é o menos aplicado de forma correta, em função da quantidade de atividades nem sempre respeitadas". Para a recuperação propriamente dita, foram empregados quatro materiais: o fundo preparador de paredes, o selante acrílico, o impermeabilizante de lajes e paredes e a tela de poliéster.

 

Recuperação passo a passo

abertura-na-fissura-ou-trinca.jpg

Abtura de sulco sobre a fissuraer

Equipamento: Marquita,  ou Talhadeira e martelo, ou Espátula. (dependendo da parede)

EPI: Oculos de proteção..

 

 

 

remocao-do-acabamento-da-parede.jpg

Remoção do acabamento da parede

 

 

 

aplicacao-selante.jpg

Aplicação de selante acrílico

 

 

secagem-da-fissura-ou-trinca.jpg

Secagem da fissura selada

 

 

 

aplicacao-de-impermeabilizante-acrilico.jpg

Aplicação de impermeabilizante acrílico

 

 

 

segunda-demao-de-impermeabilizante-estruturado-em-tela-de-poliester.jpg

Segunda demão de impermeabilizante estruturado em tela de poliéster

 

 

 

 

Preparação da Superfície

 

  • A fissura foi aberta em um perfil em forma de "V", por meio de disco de corte, para apresentar aproximadamente 1,0 cm de profundidade e 1,0 cm de largura (foto 1)

 

  • O acabamento da parede foi removido em uma faixa de cerca de 20 cm em torno da fissura, contados 10 cm para cada lado, até atingir o reboco, para remover todo o sistema de pintura existente (massa acrílica e tinta) (foto 2)

 

  • Com um pincel 2", eliminou-se todo o pó da fissura aberta, bem como das faixas laterais

 

Fundo

 

  • Se necessário (caso o substrato não estiver coeso), é aplicado um fundo preparador de paredes. O produto é aplicado com trincha na fissura e nas faixas laterais

 

Tratamento da fissura

 

  • Preenche-se a fissura com duas demãos de selante acrílico por meio de aplicador. Utilizou-se uma espátula nessa aplicação, para que o material fosse bem compactado no interior da fissura (foto 3)

 

  • Em seguida, foi necessário aguardar  48 horas, no mínimo, para secagem  entre demãos

n Aguardou-se intervalo de 24 horas para secagem da última demão do selante acrílico (foto 4)

 

  • Uma farta demão de impermeabilizante acrílico foi aplicada, diluído com 10% de água, sobre a fissura e as faixas laterais (foto 5)


Foi preciso aguardar seis horas para  a secagem

 

  • Uma segunda demão de impermeabilizante acrílico foi aplicada, da mesma forma que no item anterior, fixando-se, nessa etapa, uma tela de poliéster, de 20 cm de largura, sobre toda a faixa da fissura, tendo como orientação o eixo da trinca (foto 6)


Para a secagem completa, foi necessário aguardar seis horas

 

Acabamento final

 

  • Um novo nivelamento foi executado, sobre as partes anteriormente rebaixadas, com massa acrílica, aplicada em camadas finas e sucessivas, não ultrapassando espessura final superior  de 3 mm

 

  • Foram aplicadas duas demãos de  tinta látex acrílica, com diluição de 30%  a 40% de água na primeira demão, e de 10% a 20% na segunda, usando-se um rolo de lã para aplicação. Foi necessário observar um intervalo de quatro horas entre as demãos

 

 

 

Caso você tenha alguma dúvida ou precise de profissionais com experiência entre em contato

com a Wprojetta, possui profissionais especializados para atender e gerir a prestação de serviço.

A Solução a INOVAÇÂO em Restauração de Fachada
Principais benefícios
 
Somos especialistas na área de pintura interna e externa dando um acabamento 
nobre ao serviço. Possuímos uma abordagem inovadora dedicada 
facilmente distinguida, com uma visão potente
na prestação de serviços.

 

Empresa de pintura em Santos, textura, grafiato, hidrojateamento
Projetta Nossos Serviços

Atualmente há uma grande insatisfação com serviços de pintura, Projetta Restauração e Pintura possui profissionais qualificados:
Empresa de restauração de fachada, pintura, residencial, predial,
  • Profissionais qualificados
  • Padrão e controle de qualidade
  • Equipamentos, processos e ferramentas adequadas
  • Pontualidade e assiduidade
  • Garantia do serviço
  • Efetiva proteção de áreas que não será pintada
  • Contratação por APP

Qualidade

 

Satisfazer o cliente atendendo aos seus        requisitos;

 

Oferecer serviços com custos e prazos de execução competitivos;

 

Apoiar o crescimento da empresa pela melhoria dos processos e soluções tecnológicas, atendendo aos requisitos da NBR ISO 9001:2008;

 

Capacitar e desenvolver os colaboradores, zelando pela segurança no trabalho e responsabilidade social;

 

Melhorar o sistema de gestão da qualidade de forma contínua.

Nosso Diferencial

 

Sede Própria
 

Fabricação de tonalidades no sistema Self-Color, homologada (Suvinil)
 

Tintas personalizadas com garantia, registro e homologação do fabricante
 

Engenheiros e Técnicos em Segurança do Trabalho
 

Seguro de Responsabilidade Civil e Acidente 
Pessoal.

Pintura e Serviços

Pintura Predial (Pintura, Textura e Grafiato)
Lavagem, Rejuntamento e Reposição de Pastilhas
Lavagem de Fachadas
Impermeabilizações
Jateamento, Hidrojateamento
Tratamento de Madeira e Metal
Aplicação de Monocapa
Engenharia
 

 

importância da restauração de fachadas

 

 

Restaurar fachadas é essencial para a valorização e conservação do condomínio. Imagine um possível comprador desistindo porque notou traços de desleixo ou defeitos aparentes na infraestrutura. Isso compromete a credibilidade do síndico e do condomínio, além dos próprios moradores que podem vir a apresentar queixas e problemas.

 

 

Além disso, a segurança dos condôminos deve ser sempre preservada. Muito mais do que a estética, saiba que esse é um direito que deve ser garantido aos moradores pelo síndico e pela administração do condomínio. Portanto, o ideal é realizar uma verificação constante da infraestrutura e sugerir as melhorias necessárias. {Leia mais..}

 

 

Valores e Segurança

 

Já pensou como a restauração de fachadas faz diferença na estética de um condomínio? Além de melhorar a aparência, a reforma também é importante para conservar e valorizar os bens imobiliários. Para isso, é importante que alguns cuidados sejam tomados, como realizar manutenções periódicas de limpeza, pintura, rachaduras, além das comuns infiltrações. O síndico deve ser o responsável pela intervenção,..{Leia mais..}

 

 

Parceiros

 

Com matéria-prima de alta qualidade, a Wprojetta Restauração e Pintura possui parcerias sólidas com os melhores fabricantes e fornecedores do país, e devido a nossa reputação e relacionamento com nossos parceiros nos permite oferecer uma gama ainda maior de opções e benefícios para nossos clientes onde o respeito e o comprometimento com resultados de alto valor agregado são a base para que possamos oferecer ao cliente o máximo de qualidade desta interação. Entendemos que nossas alianças são fundamentais para o alcance de nosso objetivo na prestação de serviço com qualidade nobre...{Leia mais..}

 

Parceiro wprojetta.com sherwin williams
Parceiro Wprojetta restauração de fachada jatoba
Parceiro wprojetta.com restauração de fachada suvinil
Parceiro Wprojetta restauração de fachada sulamerica
Parceiro wprojetta restauração de fachada coral
Parceiro Wprojetta restauração de fachada porto seguro
Parceiro Wprojetta restauração de fachada tigre
Parceiro Wprojetta restauração de fachada atlas
Parceiro Wprojetta restauração de fachada viapol euclid grup
Aplicativo Wprojetta empresa de pintura restauração de fachada app
A Solução a INOVAÇÂO em Restauração de Fachada

 

Aplicativo Wprojetta empresa de pintura textura restauração de fachada app
 
Orçamento Online
Projetta mais Próxima de seu endereço
Pagamento em Tempo Real
Acompanhamento Online do Serviço
Ligação 0800 sem custo com APP
00000000000000000000.png
Projetta Restauração de Fachada

Projetta Gestão Diferenciada

Gestão Diferenciada e Profissional
Padronização de Todos os Processos de Pintura Orçamento, Agendamento, Contratação e
Pagamentos Online e em Tempo Real
Método Inovador
Equipes Uniformizadas Treinamentos Frequentes da Equipe
Pós venda bem realizado
Garantia dos Serviços

 

Projetta Fácil Contratação

 

empresa de pintura, preço, promoção, competitivo